MASTITE: É PRECISO PARAR DE AMAMENTAR?


A mastite é uma inflamação nas glândulas das mamas, que acontece, principalmente, na primeira gravidez. Está ligada a um conjunto de fatores associados: a pele frágil do mamilo, a inexperiência da mulher em dar de amamentar e a do bebê em pegar o bico corretamente; e a produção excessiva de leite em relação ao que ele consegue mamar. Tudo isso provoca pequenos machucados no mamilo ou na aréola, por onde entram os fungos e as bactérias que vão formar a mastite. Dor e vermelhidão: A inflamação aparece entre a segunda e terceira semana após o parto, quando mãe e filho ainda estão se ajustando aos horários das mamadas e criando um ritmo próprio. Às vezes, o peito fica muito cheio levando o neném a fazer várias tentativas para pegá-lo, o que acaba por ferir toda a região. O leite acumulado empedra, também abrindo fissuras no mamilo. Na maioria das vezes, apenas uma das mamas é atingida. Fica inchada, vermelha, muito quente e dolorosa. Pode soltar um pouco de pus, se for apalpada. Outros sintomas: febre e calafrios, como numa gripe. Antes de tomar qualquer medicamento ou tentar uma solução caseira, procure imediatamente seu médico. Durante a gravidez: A preparação dos seios durante os nove meses da gravidez, além de facilitar o aleitamento, pode evitar a mastite. Não deixe de: Usar sutiã. Antes mesmo do sexto mês, muitas mulheres começam a produzir o colostro, o primeiro leite que vai alimentar o neném até o sétimo dia de vida. O sutiã evita a queda dos ductos alveolares – as glândulas que armazenam o leite e podem provocar o ingurgitamento mamário (acúmulo do líquido nas mamas). Escolha um modelo apropriado para a amamentação. Tomar sol diretamente no peito todos os dias, antes das 10:00h ou depois das 16:00h. Dá resistência à pele. Na hora de amamentar: Antes, lave bem as mãos com água e sabonete. Retire (ordenhe) um pouco de leite para verificar se a aréola está bem macia. Passe, então, este leite nos mamilos, que higieniza e hidrata a região. Escolha um local confortável e posicione seu filho de modo que a barriguinha dele fique junto da sua. Ao oferecer o seio, faça com que ele abocanhe o bico do peito e toda a aréola. Caso pegue apenas o bico, não vai conseguir mamar a quantidade de leite suficiente, nem para satisfazê-lo e nem para esvaziar a mama. Ajude-o, colocando o dedo mínimo em sua boca, retirando-a do bico e recolocando-a, na posição certa. Pode congelar o excesso: Se ainda houver leite depois que o bebê terminar de mamar, faça uma massagem areolar (com movimentos circulares em volta da aréola) e, em seguida, a ordenha manual. Para isso, posicione o polegar 3cm acima do mamilo e os dedos médio e indicador abaixo, estimulando a saída do líquido. O leite materno pode ser armazenado em frascos de vidro para ser oferecido, depois, ao seu filho. Na geladeira, dura 24 horas; no congelador, cinco dias; no freezer, 15 dias, mantendo o mesmo sabor e a qualidade. Você deve aquecê-lo em banho-maria, sem deixar ferver e oferecer em copinho, para que o bebê não perca o hábito da sucção do peito. Atenção! Ao tirar a criança do peito, depois das mamadas, primeiro coloque o dedo mínimo em sua boquinha. Assim, ela passa do bico para o dedo, de uma forma menos brusca, sem machucar seu mamilo. Se inflamar... Apesar de todos os cuidados, os seios racharam? Passe neles o próprio leite, que tem substâncias cicatrizantes e vai ajudar a regenerar o tecido machucado. E continue tomando sol nos mamilos. Evite que o sutiã ou o absorvente para seios entre em contato com o mamilo fissurado. Use os protetores de silicone (em forma de conchas), e nem pense em apelar para antitérmicos, analgésicos, antiinflamatórios ou antibióticos, sem consultar seu médico. Pode complicar... Sem o tratamento imediato dos pequenos ferimentos, há o risco de se formar a mastite, um abcesso (acúmulo de pus) no local. Caso surja próximo ao mamilo, deve-se suspender o aleitamento naquela mama. O abcesso pode romper espontaneamente. Se não, será preciso drená-lo (retirar o líquido), através de um processo cirúrgico, no consultório mesmo. Dois dias depois, em média, a mulher está liberada para voltar a amamentar. Isso não se faz. Usar cremes ou óleos hidratantes principalmente no mamilo e na aréola do peito. A pele fica muito sensível, facilitando a formação dos machucados ali. Passar sabonete sobre o peito durante o banho. Pode deixar a espuma passar, mas o contato direto com o produto causa o ressecamento da pele. Fonte:Protasio,Regina.Pós parto.08/2010.(www2.uol.com.br/topbaby)




<< voltar

Faça aqui seu login

Álbum de Fotos